THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES

Pare o mundo que eu quero descer ...


Raul Seixas

tentando fazer poesia
do que me arranca a Alma,
ela mesma, mesmo que seja em pranto ...

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

dedicado a Ti





Não sei quem És,  Deus

caramba, não sei mesmo,

nem sei, quem queres que seja ...
não sei mesmo, agora, onde estou e me deixastes,  perdida,

em mim, quando brado por Ti
porque não te conheço, Aqui

que sei que me deixastes, desamparada,
apenas com  o teu amor
dentro da alma
para, depois de passar por tudo o que querias
que eu passa-se
me voltasse
para Ti

para te buscar
como salvação das minhas mágoas
das minhas dores, atrozes
dos meus quereres amargos ...
que me fizestes sentir aqui
sem mágua tua, dentro

e não sei, por muito que busque
dentro, e fora
da minha alma e fora dela, mesmo
quem tu és, realmente

e porque, com teu grande poder
que sinto, dentro, desde que nasci, aqui ...
mesmo que não o reconheça, não sei o que é
e que me sinto,  gente ....

apenas sei
que tu quisestes que eu sentisse, assim

aqui fica o mistério desse teu querer
dessa tua busca, em mim....

me viro agora, para Ti,
buscando o alívio da aflição que me corrói a alma
essa que tu me destes e que dizes, em panfletos sagrados
que não reconheço

apena me mostram, temor
e não creio

que aquilo que me deu a vida
aquele que me deu a glória de sentir
aquilo que sinto depois de toda a dor passada, neste mundo

pequena que seja para Ti,
minha é de grande labuta

querer buscar, algo que me transcenda
algo que me eleve, tão alto
inesplicável em palavras deste mundo

que me faça, sentir dentro
na viva alma, que tu me destes
singela, porque mais uma, entre muitas

aquelas, todas, que tu achastes que precisavam passar
a derradeira noite escura da alma 

apenas, sei
como sei
não me perguntes,
que quisestes que eu te procurasse
quando não mais forças sinto dentro,

quando nada mais me dá alento
quando, por momentos, penso desistir
da Vida que me destes, aqui, agora
quando me fizestes aqui surgir

como alma desregrada, que sempre fui, tua
e tuas dores, creio-me, senti, dentro
de modo diferente, mas senti

me fazes creer, apenas, que tudo que passei, e sinto que ainda passo

é apenas e mais nada
o amor qure sinto dentro
esse grande Amor
teu abraço

Analuz


2 comentários:

Artes e escritas disse...

Uma ótima meditação. Um abraço, Yayá.

Lua Negra disse...

Achei mais um lugar lindo para ficar.

Cheio de amor, sensações da alma.
Beijos de lírios.
Lua

Aquilo a que a lagarta chama fim do mundo, o homem chama borboleta.
(Richard Bach)

Somos prisioneiros da vida e temos que suportá-la até que o último viaduto nos invada pela boca adentro e viaje eternamente em nossos corpos

Raul Seixas

Mensagens populares